Fazendo Caminho I <$BlogRSDUrl$>

domingo, julho 11, 2004

......
«O futuro é o reino das bruxas - a elas deixo de boa vontade que divaguem sobre o que virá a ser a poesia portuguesa. A mim não me interessa. A poesia, como disse António Machado, é palavra no tempo. Cada poeta dá testemunho na terra, de coração aflito, do milagre de um único encontro: o encontro com o seu rosto. Um rosto feito de mil rostos, onde cada ser poderá reconhecer-se. Temporal por excelência, a palavra do poeta é uma palavra preocupada. Ele sabe que o seu trabalho é preservar, sem os corromper, uns sinais que, apesar de frágeis, têm a força prodigiosa de revelar o homem ao homem. Como continuar tão delicada e preciosa tarefa? Como erguer a voz sem que se torne eco de qualquer superstição? Cada poeta acabará por descobri-lo sozinho, com alegria e angústia, pois ninguém aqui o pode ajudar. Entre obediência e rebeldia, entre norma e transgressão, caminhará inseguro, sabendo que tudo lhe é permitido para aumentar a herança e tudo lhe é interdito para a dissipar.»
.......
..........


Eugénio de Andrade
in Rosto Precário

Comments:
<$BlogCommentBody$>
<$BlogCommentDeleteIcon$>

This page is powered by Blogger. Isn't yours?

on-line